Aquele que crê em mim não morrerá para sempre!

LITURGIA – 5º DOMINGO DA QUARESMA

06.04.2014.

“Eu sou a ressurreição e a vida,

Aquele que crê em mim não morrerá para sempre!”

 

1.Introdução.

   A liturgia da Quaresma nos recordou a realidade sufocante do pecado (1o domingo), o risco da fé em Jesus (2o domingo) a água batismal que nos dá vida nova (3o domingo), a luz benfazeja de Cristo que dá sentido para a vida(4o domingo) e, hoje, Jesus se apresenta como garantia de ressurreição feliz.

A Liturgia da Igreja é, também, catequese salutar. Ilumina nosso caminho enquanto vivemos sobre a terra. Não podemos andar às apalpadelas; precisamos caminhar na luz e na segurança!

2.Palavra de Deus.

    Ez 37,12-14 – O Povo de Israel vivia desesperado e quase morto no exílio e Deus prometeu tirá-lo de lá como se retira um morto da sepultura! Israel no exílio é simbolo do nosso sofrimento, quando afastados de Deus!

Rm 8,8-11 – O Espírito Santo, que ressuscitou Jesus, está presente no coração de todo o batizado! Ele é a luz prometida por Jesus!

Jo 11,1-45 – Jesus se comove, profundamente, com a morte de seu amigo, Lázaro. Com um forte grito, Ele o chama de volta para a vida: “Lázaro, vem para fora!” Jesus continua se comovendo com nossa morte espiritual e nos chama de volta para a vida na graça divina.

3.Reflexão.

  • A ressurreição de Lázaro é o sétimo sinal (milagre) que prova a divindade de Jesus e a autenticidade de sua missão. Morto há quatro dias (já cheira mal!), Jesus ordena que ele venha para fora vivo e curado! Lázaro é simbolo da humanidade, morta pelo pecado, mas chamada à vida  por Jesus Cristo! “Lázaro, vem para fora” é o grito que cada um de nós deve ouvir neste final de Quaresma: abandone a sepultura do pecado e saia para uma vida nova de filho de Deus!
  • Nosso orgulho acaba na sepultura; apodrecemos como cadaver de quatro dias! Mas o amor de Jesus, que retirou Lázaro das cadeias da morte e da podridão, pode, igualmente, retirar-nos das cadeias do pecado e do vício e fazer-nos viver como dignos filhos de Deus. O amor de Jesus, neste final de Quaresma, grita convocando-nos para sair da mediocridade e do pecado e viver na graça de Deus.
  • Para os candidatos ao batismo da Igreja primitiva (catecúmenos), a certeza do poder de Jesus, vencedor da morte, echia-os de coragem e de disposição de confessar Jesus, mesmo com a ameaça da morte! Sem crer em Jesus não há salvação e  nem  habitação do Espírito Santo em nosso coração! Não pensemos em nossos pecados, mas no amor e no poder de Jesus, que chorou a morte de seu amigo. O povo exclamou: “Vêde como Ele o amava!”  Jesus nos ama  e pode ressuscitar-nos, hoje, para uma vida santa.

“Eu sou a ressurreição e a vida!”

 

Frei Carlos Zagonel.